Add to Technorati Favorites

quinta-feira, 15 de novembro de 2012

Odeio vendedores chatos

Depois de muita insistência, cedo aos apelos da minha esposa, "vamos só olhar" um relógio para usar no dia-a-dia.

- Posso ajudar?
- Não, obrigado. Só estamos olhando - Significa não quero conversa para qualquer um, menos para um vendedor chato.

Ando pela loja com um olhar desinteresado e me arisco a perguntar alguma coisa para outro vendedor, quando escuto por cima do meu ombro - eles estão comigo.

- De qual você gostou mais?
- Gostei de tudo - Respondo sarcástico. Que parte você não entendeu que eu só estou olhando?

- Então está fácil - Se você ouvir isso, significa que você está lidando com um vendedor treinado.

ROUND 1

- Alguma data especial? - Pergunta maldosa, um soco no estomago.

Todo casal tem pelo menos o dia em que se conheceram, quando começaram a namorar, o dia do casamento civil, casamento religioso, aniversário do homem e da mulher, datas são o ponto fraco de nós homens...

- Meu aniversário é no final do mês - responde minha esposa, que já tinha negociado o presente dela no mês passado e esquece os presentes como eu esqueço as datas.

- Os diamantes são o símbolo do amor eterno - penso que agora o assalto é a mão armada e que estou com os pés e mãos amarrada. Não respondo nada.

- Esse está em promoção, só R$ 5.200,00. Não quer aproveitar?
- Precisamos pensar - respondo de prontidão.

- Só tem três peças. Podemos dividir em até dez vezes no cheque - técnica da criação da pseudo vantagem.
- Não uso cheques.

ROUND 2

- Quer ver algo para você? - Outra técnica manjada. Estender a segunda vara de pesca para tentar fisgar dois peixes, trazendo uma caixa com relógios a partir de R$ 14.000,00.
- Não.

- Por que você não se dá de presente? Você nunca compra nada para você - Vai se transformar na mãe Diná?

- Quanto você pretende gastar? - Dá vontade de perguntar se ela não quer a senha do meu Internet Banking ou olhar quanto dinheiro tenho na carteira, mas engulo em seco.

FIM DA LUTA

Saio da loja ileso! Que sabor de vitória! O ar começa a voltar lentamente e a tensão desaparece.

Aí vem minha esposa e diz: Nossa, como você é grosso. Precisava ter feito aquela cara?

Moral da história, as joalherias são uma falha no tempo, onde a emancipação das mulheres ainda não aconteceu.

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

Montando um PC Gamer - Era uma vez um HP Pavillion P6660BR

O HP Pavilion P6660BR é sem dúvida uma das melhores máquinas de marca do mercado. Com uma placa ATI RADEON 5570 de 1Gb e processador i5, já dá para pensar em jogar. Vários MACs tem a mesma placa, só que o sistema operacional do MAC consegue aproveitar muito mais os recursos de hardware do que o nosso amigo Windows.

O micro custa aproximadamente R$ 2.229,00.

http://compare.buscape.com.br/hp-pavilion-p6660-intel-core-i5-750-2-66-ghz-4096-mbytes-1024-gbytes.html

Fixei este preço na cabeça e fui em frente para buscar uma máquina melhor pelo mesmo custo e vejam o que eu consegui!

Placa de Vídeo Sapphire HD 6850 com 1Gb - R$ 840,00 +
Motherboard Intel DH55HC - R$ 356,60 +
Processador Intel Core i3 540 - R$ 317,93 +
2 x Memória Kingston 2GB DDR3 1333 - R$ 171,85 +
Fonte Corsair 650W Real - R$ 352,30 +
Gabinete Thermaltake V3 Black - R$ 158,96 +
Kit Teclado/Mouse Microsoft 800 S/Fio - R$ 94,52 = R$ 2.292,16

Foi muito difícil escolher entre diversos modelos de placas, barramentos, clocks, etc. Uma das coisas que me motivou é o prazo de garantia dado pelos fabricantes em alguns componentes. Por exemplo, a placa mãe da Intel tem garantia de 3 anos!!!

Claro que sem conhecimento de hardware, a chance de fazer besteira é muito grante. Exemplo: A primeira placa de video desta configuração era uma HD 5830 com também 1Gb DD5. Quando montei a máquina, a placa já começou a exibir rapidamente vários retangulos que aos olhos de um amador poderia ser uma interferência causada pelo cabo RGB, mas baixei o ATI TOOLS e com um teste renderizando um pequeno carpete, fiz a placa fumar e lá fui eu na loja que tinha acabado de chegar o modelo HD 6850 por R$ 40,00 a mais! Essa placa recebe somente uma alimentação de força de PCIe, enquanto que a outra recebiam duas. Ou seja, parece ser uma placa mais otimizada que deve gastar menos energia e logo produz menos calor.

Se eu tivesse deixado passar os 7 dias de garantia, também ia ter que esperar pela garantia do fabricante. Testar a máquina os mais rápido possível é importantíssimo!

http://www.overclockersclub.com/reviews/sapphire_hd6850_toxic/

Outra coisa que me impressionou bastante, foi a qualidade deste gabinete e também da fonte. Os coolers são muito silenciosos.

A placa mãe e o processor são normais, por que hoje em dia o que realmente importa numa máquina gamer é placa de video e fonte! Claro que um gabinete bem arejado é fundamental e que a placa mãe precisa ter pelo menos um slot PCIe, mas o principal é a placa de video mesmo, não se pode enconomizar neste item.

Essa placa vem ainda com uma interface cross fire, que permite que você utilize duas placas de video funcionando em paralelo, mas para isso você terá que ter uma placa mãe com dois slots PCIe. Mas isso é uma besteira.

Até agora não vi nenhuma máquina que superasse o meu PS3 que já tem 3 anos. Acho que os micros ainda vão ter que evoluir muito para chegar perto dele. Qualquer grana que você coloque numa máquina gamer, vai estar pagando muito por tão pouco. O PS3 brasileiro já está custando R$ 1.200,00...

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

Pesquisas de Opinião: A prova definitiva

Se você acredita ou não nas pesquisas de opinião, vote online e descubra qual candidato está na frente.

http://inquiete.com.br/

terça-feira, 31 de agosto de 2010

Off topic: Pesquisas de Opinião

As pesquisas de opinião apontam como certa a vitória de Dilma Rousseff nas urnas.

Li ontem que José Dirceu e Palocci já travam disputas internas sobre os cargos no novo governo. Ou seja, o Mensalão va continuar. Ontem mesmo no Jornal da Globo Dilma disse que não acha provável a volta de José Dirceu. Ou seja, mais uma vez ela não respondeu as perguntas.

Eu em 35 anos, nunca fui entrevistado por nenhum instituto de pesquisa e também não conheço ninguém que tive sido.

Agora é a hora da virada! Precisamos eleger o Serra para que o Brasil cresça de verdade e não somente no discurso.

O PAC foi um fracasso total. Em oito anos, praticamente nada foi entregue, mas o dinheiro desapareceu.

terça-feira, 10 de agosto de 2010

Desculpe o estado Down... Os políticos brasileiros estão difícil de suportar...

Desculpem este último post meio down.

Eu devo estar assim por ter dormindo muito mal para pegar o primeiro voo da ponte aérea.

Ou será que foram as entrevistas da Dilma e da Marina na sequência... haja estômago para aguentar a primeira que me lembra o Rolando Lero, personagem da Escolhinha do professor Raimundo. E a outra que me lembra o Gabeira falando de legalização das drogas com esse papo de natureza!

Espero que amanhã o Serra arrebente da entrevista no Jornal Nacional!

Quero muito ver o dia que as mulheres possam ocupar lugares de destaque no governo. As experiências até agora não foram muito boas: Erundina (Fez miséria em São Paulo), Benedita (Viajando a passeio com nossa grana), Marta Suplicy (Martacha), Rosinha (Continuidade do Garotinho... lembra a parceria Dilma e Lula?), ...

O que parecia um ato heroico...

Garota publica em site pedido de demissão.

Segundo a história, publicada no site The Chive, uma jovem indignada manda um e-mail para a empresa inteira com fotos dela usando um whiteboard para pedir demissão e expor os seus motivos. O principal motivo que fez com que ela tomasse esta decisão foi ter ouvido o chefe a chamar de HOPA (Hot Piece of Ass).

Parecia um ato heróico, até que o site Lemondrop desmascarou um possível marketing viral para propor uma aparição na revista masculina Playboy, que está praticamente quebrada nos estados unidos. É interessante que no início das fotos ela adota um look nerd, tipo Ugly Beth, mas que no final se descobre sexy, como em todo besteirol americano.

Existe até uma página no Facebook coletando "assinaturas" para este ensaio na Playboy!!!

Confira em: http://www.facebook.com/JennyDryErase

Sempre que vejo estas coisas absurdas na Internet tomo o cuidado de investigar melhor. Outro dia recebi um post sobre a data do filme "De volta para o Futuro". Boato!

Minha mãe me enviou um outro e-mail sobre a pesca de tubarões utilizando animais de estimação. Esse era verdade, fiquei muito chateado e nem tenho coragem de publicar o caminho. Não procurem, é revoltante mesmo!

terça-feira, 3 de agosto de 2010

O cara legal é a chave para a harmonia no escritório

Li esse artigo no Jornal Valor, uma tradução infeliz de "Nice dud is key to office harmony", de Lucy Kellaway, colunista do Financial Times.

Precisamos de alguns chefes e professores incompetentes

Durante a reunião final do ano escolar de minha filha, na semana passada, os alunos se despediram de uma professora que estava sendo substituída. A senhorita T era conhecida por sua debilidade na transmissão de conhecimentos; o novo diretor decidiu que faria mais sentido transmitir o cargo para alguém que soubesse de fato ensinar. Mesmo assim, as garotas subiram nas cadeiras e aplaudiram e gritaram. Elas adoravam a senhorita T. Ela era uma mulher querida e gentil, que já trabalhava na escola muito antes de as alunas nascerem. De todas as coisas que elas tinham contra o diretor que estava promovendo reformas, a demissão da professora era a mais imperdoável.

No fim de semana anterior, a diretora do Office for Standards in Education (Ofsted), o órgão do governo britânico que inspeciona o padrão das escolas e professores, havia afirmado que era preciso ter um professor ruim em cada escola primária. Previsivelmente, houve uma grita geral. Mas Zenna Atkins estava certa.

Precisamos ocasionalmente de um professor ruim. E mais do que isso: precisamos ocasionalmente de um administrador ruim e também de um trabalhador ruim. O ponto de vista de Atkins é o de que um professor ruim ensina as crianças a respeitarem a autoridade do cargo, mesmo que o encarregado não mereça respeito nenhum. Essa lição, observou ela corretamente, é útil mais tarde na vida. Lidar com idiotas com autoridade é uma habilidade necessária em todos os locais de trabalho e quanto antes ela for aprendida, melhor.

Ela também poderia ter usado outros argumentos. O mau ensino nos faz respeitar mais o bom ensino, uma vez que sem o ruim, o bom não significa nada. E o mais importante: os professores ruins encorajam os alunos a serem astuciosos. Tive sorte de ter professores ruins no ensino primário, uma vez que isso me preparou para Oxford, onde o mau ensino foi levado a um novo patamar. Na verdade, muitos dos professores que me "ensinaram" nem se preocupavam em esconder que faziam aquilo por fazer, de modo que não tive escolha a não ser aprender sozinha.

Nos escritórios, os argumentos a favor dos perdedores são ainda mais fortes. Trabalhar num lugar onde todos são excelentes seria um inferno. E também perigoso: veja só o que acontece nos bancos de investimento. Todas aquelas pessoas espertas e competitivas juntas, sem uns poucos perdedores para desencorajá-los de inventar derivativos tão complicados que ninguém conseguia entendê-los.

Também precisamos de trabalhadores ruins como meio de medida. O bom senso administrativo dita que todo mundo precisa se avaliar diante das melhores práticas. Na verdade, avaliar-se contra as piores práticas é uma ideia muito melhor: no fim das contas, ela leva você ao mesmo lugar, mas eleva o moral no processo. De fato, nada me estimula mais em certos dias em que estou tendo dificuldades para escrever, do que ler o texto ruim de um jornalista sem talento. Aí, me sinto como se fosse Marcel Proust, e as palavras começam a fluir.

No entanto, o argumento mais premente não é a necessidade de as organizações terem alguns administradores ruins ou as escolas terem alguns professores ruins. Existe um grande excesso de oferta de perdedores em todas as situações da vida; o problema é o que fazer a respeito.

Há várias opções. A primeira é tentar, por meio de treinamento e uma mistura de recompensas e punições, converter perdedores em não-perdedores. Isso é admirável, mas um trabalho duro quando as chances de sucesso são pequenas. A característica que define um verdadeiro perdedor é que ele ou ela resiste, resoluto(a), em melhorar.

A segunda opção é se engajar na limpeza étnica dos trabalhadores fracos e problemáticos e demitir os 10% piores todos os anos. Esse sistema se tornou famoso por Jack Welch, mas ele é tão detestável que hoje nem mesmo a General Electric o usa com a religiosidade do passado.

A terceira opção é encontrar uma saída para a situação, demitindo alguns funcionários ruins e tolerando o resto. Isso é o que a maior parte das empresas acaba fazendo, mas o problema é que elas não fazem isso bem. Elas não descobriam o princípio que minha filha e suas colegas aprenderam na despedida da professora: livrem-se dos perdedores repulsivos se quiserem, mas mantenham os agradáveis.

Dois anos atrás, li um artigo na "Harvard Business Review" que dizia que as pessoas agradáveis são valiosas porque mantêm as equipes unidas. O artigo constatava que todos nós preferimos o tolo agradável em detrimento do idiota incompetente.

Mas há outro motivo para que sejamos gentis com o tolo agradável. Faz com que todos se sintam melhores. Quando vejo alguém que é incompetente e se agarra de maneira brutal a um bom emprego, isso me deixa irritada com meu empregador por má administração. Mas quando eu vejo alguém que não tem jeito, mas é amável, sendo colocado em um cargo em que não representará perigo, isso me faz concluir que meu empregador tem bom coração e que o mundo não é um lugar tão ruim, afinal.

Lucy Kellaway é colunista do FT
Sua coluna é publicada às segundas-feiras no editorial de Carreira

Fonte: Valor Econômico online, 26/07/2010
Original: Financial Times
http://www.ft.com/cms/s/0/fd49cde0-911f-11df-b297-00144feab49a.html